ESTADOS UNIDOS PELO AMOR

 

kadr-z-filmu-zjednoczone-stany-milosci-6

Polônia, 1990. O país está passando por uma transformação importante após a derrubada do Muro de Berlim. Uma certa euforia está tomando conta das pessoas e a liberdade talvez seja um passo a considerar, sobretudo para as mulheres.

Na primeira cena de “Estados Unidos pelo Amor, há várias pessoas numa mesa de jantar – tudo ali nos aproxima de uma comemoração, de um sentimento de liberdade, e união. As mulheres em cena são meras desconhecidas até então; mas após essa primeira cena, aparentemente confortável, passamos a ficar no encalço dessas mulheres e a conhecer segredos e desejos platônicos que darão seguimento a suas vidas, Estados Unidos do Amor passa a ser então um recorte do que as mulheres esperam de uma nova liberdade. Continuar lendo

Anúncios

MUCH LOVED

20161009-much-loved-cannes-film-festival-4

A prostituição feminina sempre teve uma braço dado com a 7ª arte – basta revirarmos alguns arquivos históricos do cinema por aí para encontrarmos diversos registros, muitos deles bem sucedidos sobre o assunto.

Alguns cineastas deram uma aura de sofisticação (A bela da tarde, 1967) outros transformaram o tema em conto de fadas (Uma linda Mulher, 1990) e existem os filmes mais “barra-pesada”, onde a mulher trabalha por extrema necessidade ou então são induzidas ou exploradas (Para Sempre Lilya, 2002 e Miss Violence de 2013). Mas mesmo com a sofisticação, o conto de fadas, ou a exploração sexual; sempre que alguém resolver abordar sobre a prostituição feminina, será alvo de críticas e polêmicas das mais variadas. Agora eu perguntaria: e se alguém resolvesse filmar sobre prostitutas de Marrakech? Continuar lendo